Hoje é celebrado o dia do Exército Brasileiro. No 62º Batalhão de Infantaria, há solenidade marcada para as 9 horas. Joinville se orgulha da centenária unidade militar que é carinhosamente chamada de “nosso batalhão”. Mas essa arma militar agora está novamente no radar de todos os setores da vida nacional. Uma parcela teme uma intervenção militar, outra a deseja. E a maioria da população vê nos militares a derradeira saída para a grave crise institucional que assola o Brasil.

Atuando na proteção de nosso território desde a Batalha dos Guararapes (1648), contra os invasores holandeses, o Exército Brasileiro tem exercido papel relevante na manutenção da unidade e da integridade nacional.

Sua evolução histórica se confunde com a própria consolidação da identidade do país. Presente em todo o território, o Exército tem a missão condicionada pelas dimensões continentais do Brasil, caracterizadas pela variedade de ambientes geográficos e por uma faixa de fronteira com dez países que se estende por quase 17 mil quilômetros.

Para o cumprimento da missão constitucional de defesa da pátria, a Força Terrestre tem de manter preparados e adestrados efetivos superiores a 222 mil homens e mulheres. A instituição militar atua também no apoio às atividades de Defesa Civil, participando de ações de socorro e assistência às vítimas de desastres naturais, bem como nos procedimentos de recuperação e reconstrução. Seu corpo de engenheiros coopera constantemente na consecução de obras públicas. O Exército integra o Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil (SINPDEC).

Nas áreas de fronteira terrestre, o Exército atua na prevenção e repressão contra delitos transfronteiriços e ambientais, de forma isolada ou em coordenação com outros entes estatais. Também tem atuação premente no apoio à política externa nacional, contribuindo com o maior número de efetivos militares brasileiros em operações de paz e de ajuda humanitária. O atual comandante da Força Terrestre é o General Eduardo Dias Costa Villas Bôas.