RadioAMeFMpreferidasnocarro.Informa Automação de Rádio.jpg

Uma das coisas que faz nosso coração bater em um ritmo bem rápido é escutar uma boa canção.
O prazer de escutar uma música enquanto se dirige pode resultar tanto em uma direção prazeirosa como também uma multa com perda de pontos na carteira. O carro é o único lugar no mundo em que você pode morrer por escutar o tipo errado de música. Mas não pense que é o gênero musical que coloca os motoristas em risco. Um rock pesado ou um funk carioca não causam um maior número de acidentes de trânsito do que uma cantata de Mozart. O problema real encontra-se na conexão emocional do motorista com a música que está sendo tocada naquele momento. Quem afirma isto é o professor Warren Brodsky, diretor de psicologia musical do Departamento de Artes da Universidade Ben-Gurion de Israel. Sentir-se triste, ou com raiva, ou agitado por qualquer motivo, atrás do volante, aumenta o risco de acidente no trânsito em 10 vezes. Enquanto que a fadiga aumenta este risco em 3 vezes, o ato de conversar no celular ao volante somente duplica este risco. É o que demonstra uma pesquisa realizada pelo Instituto de Transportes da Universidade da Virgínia, EUA. Dirigir distraído é o fator principal causador de acidentes em rodovias norte-americanas. O órgão que administra as rodovias nos Estados Unidos estima que um quarto dos 1,2 milhões de acidentes esteja relacionado ao fator distração ao volante. É a distração do motorista, a responsável por sessenta por cento dos acidentes que envolvem mortes. Escutar uma boa música faz bem para a saúde. Ela pode baixar o nível de pressão arterial e realçar a sensação de bem-estar.
Mas quando escuta música nas ruas ou nas estradas, o motorista de automóvel ou caminhão recebe um estímulo que interage com o seu emocional, diminuindo a atenção na direção. Uma música que inspira felicidade, tristeza, nostalgia ou mesmo aquela vontade de bater com os dedos no volante, leva a uma perda no foco de atenção no trânsito e na direção defensiva. As pesquisas realizadas por estes órgãos, demonstram que os motoristas devem evitar músicas que inspirem emoções tanto positivas quanto negativas. Uma mudança rápida da música que o estimule, para outra qualquer, leva o motorista de um estado de agitação emocional para um mais tranquilo, permitindo focar-se mais na direção. A mente menos dispersa aumenta a segurança. Ou seja, nada de escutar a sua seleção musical favorita ao dirigir.