Torce para quem?
O Capitão Augusto, deputado federal por São Paulo, apresentou um projeto de lei que obriga os árbitros de futebol a declararem para qual time torcem. O objetivo é garantir uma partida isenta de influência motivada por paixões clubistas. A intenção é boa, mas na maioria das vezes os árbitros simplesmente dizem que não torcem para clube algum. Em Santa Catarina nós tínhamos uma exceção, Luiz Orlando de Souza, declarado torcedor do Figueirense, que por muitas vezes deixou evidente sua paixão pela equipe de Florianópolis. Em certa ocasião, o Ganso, como era conhecido, tirou a torcida do JEC do sério. O alambrado veio abaixo. Embora na teoria a ideia seja boa, na prática sabemos que quando ocorrem “erros” de arbitragem há interesses maiores do que a simples paixão do árbitro pelo clube.