Sabe aquela famosa frase: “Tá nervoso, vais pescar”. Pois o joinvilense até pode não estar nervoso, mas ama uma boa pescaria ou saborear um peixe. A reportagem do Jornal da Cidade esteve num dos vários peque-pagues localizados no bairro Vila Nova e comprovou que a arte da pesca faz parte da vida do povo de Joinville. E, não se trata de centenas de pessoas, pois, na verdade, são milhares.

Sidnei destaca a tradição familiar da pesca

E um dos amantes da peca de final de semana e feriados é o funcionário público Sidnei Euzébio. Ele estava com os filhos e o cunhado Márcio Costa, que veio de Curitiba. Sidnei revelou que a pesca está no seu sangue, pois é filho e neto de pescadores. “Estou morando há 15 anos em Joinville. Vim de Imbituba, onde aprendi a arte de pescar com meu avô e meu pai. Então, aqui me sinto em casa e uma grande paz”, frisou. Ele aproveita o conhecimento para passar para seus filhos Natã e Natanael, que estão praticamente iniciando a vida. Ou seja, uma família que pretende manter a tradição da pesca.
E o casal Luiz Carlos Gadotti e Eliane Zimmer aproveitaram também o domingo para pescar. Luiz Carlos levou os netos e destacou que pescar é uma terapia que ajuda a colocar os pensamentos no lugar, a sentir paz e obviamente saborear um bom

Luiz Carlos e esposa aproveitam para descansar

peixe. Neste caso, a tilápia foi pescada pelo nosso amigo, que exibe o peixe com orgulho. “Tem que ter paciência, mas vale a pena. ,É antes de mais nada, uma forma de você concentrar e sentir paz”, frisou. O mesmo destacou a esposa Eliane, que também está desenvolvendo a meditação e tranquilidade na hora de pescar.

MAIS DE MIL PESSOAS

O local é belíssimo e próprio para a pesca

E para quem dúvida, basta visitar esse Pesque-pague no Vila Nova durante o final de semana. Para se ter ideia, o número de pessoas que giram entre sábado e domingo é entre 1,5 mil e duas mil pessoas. Grande parte aproveita para pescar e para almoçar. No local cabem 870 pessoas e sempre está lotado. Uma demonstração de que o joinvilense ama pescar.

A arte da pesca é desfrutada pelo joinvilense