Na hora de comprar um imóvel, é necessário haver o devido cuidado em vários detalhes. Em primeiro lugar, verificar se o terreno, a casa, a chácara, está devidamente registrada. Depois, vem o ponto mais importante: verificar se não existem pendências, como atraso do IPTU e se não existem processos jurídicos. Estes cuidados são fundamentais para que o sonho da casa própria não vire pesadelo.
O morador do bairro Vila Nova, Márcio Matos, 45 anos, por pouco não perdeu seu imóvel. Ele comprou de um terceiro um imóvel, tendo a “garantia” de que a situação estava regularizada. No entanto, descobriu depois que o imóvel estava sendo discutido na justiça, pois seu proprietário anterior havia entrado com uma ação na justiça (depósito em juízo) para tentar diminuir o valor da prestação do imóvel. “Acreditava que não havia impedimentos, e acabei pagando mais caro”, observou. Diante disto, adverte que as pessoas que estão comprando imóveis de terceiros, que verifiquem todas as situações. Mais tarde, conseguiu trocar aquele imóvel pelo atual onde vive hoje tranquilamente, inclusive com uma construção em andamento. Ele teve sorte, diante do tempo que teve para renegociar a dívida e evitar que perdesse tudo. João Quadros lembra que um parente não teve a mesma sorte, e perdeu seu imóvel na justiça por não saber da situação jurídica.

Agonia e ansiedade sobre processo

Márcio Andrade entrou em 2008 com uma ação na justiça. Passou o tempo e seu pai faleceu há sete anos, mas sem ter qualquer ideia de como estava a situação do processo. Então tentou encontrar o advogado, mas sem sucesso. Em contatos com outros advogados, descobriu que a ação estava no gabinete do juiz. Tentou renegociar com a imobiliária, mas enquanto não sair a decisão está de mãos atadas. O temor neste caso, é que de uma hora para outra, ocorra uma ordem de despejo por decisão judicial, assim como ocorreu com uma família na mesma rua do bairro Vila Nova.