Os servidores públicos municipais de Joinville optaram pela  greve por tempo indeterminado, após assembleia realizada na manhã  desta sexta-feira, 15, no Clube Ginástico. A maioria entendeu que a Prefeitura de Joinville não apresentou uma proposta concreta para tratar do reajuste salarial e também de benefícios em outros setores. O presidente  do Sinsej (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Joinville) ressaltou que a greve é por tempo indeterminado, e que a partir de segunda-feira, 18, haverá mobilização para a greve.

A Prefeitura de Joinville ofereceu a seguinte proposta rejeitada: reajuste salarial de 1,69%, a ser pago sobre a folha de agosto; reajuste do vale-alimentação de R$ 13,25; gratificação de interiorização aos Agentes Comunitários de Saúde (que varia entre R$ 83 a R$ 147); alteração na tabela salarial do magistério, de forma a contemplar a possibilidade de doutorado e ampliando em um quinquênio. Para o Sinsej, esta proposta é insuficiente, pois estaria ignorando dezenas de pontos da pauta de reivindicações da categoria, como a retomada do direito de licença-prêmio, e não repõe o real aumento do custo de vida dos trabalhadores.