Joinville é uma terra de contrastes. Parte do centro urbano fica abaixo do nível do mar. Roda-se poucas dezenas de quilômetros e chega-se aos campos de altitude do Quiri onde as temperaturas raramente passam dos 21 graus e no inverno batem abaixo dos 10 graus negativos. Com ocorrência constante de geadas e grossas nevas. Ali tem o Rio dos Alemães. Assim batizado porque dois colonos dessa origem morreram enregelados numa noite invernal.

Um lugar de lendas e cheio de misticismo. Histórias do Caminho do Inca, ou do Caminho do Peabirú. Dos jesuítas e tropeiros que teriam escondido tesouros nas inúmeras cavernas. Logo de contencioso entre Santa Catarina e Paraná que disputavam a posse daquelas paragens. Estão os marcos fixados depois que o recém criado Supremo Tribunal Federal deu posse a Santa Catarina.

Muitas pessoas afirmam que tanto Morro Pelado, como Castelo dos Bugres e Monte Crista, são locais muito visitados por OVNIs. Outra lenda afirma que existem grutas, nos três lugares, e elas dariam acesso ao um mundo subterrâneo. Nesse local haveriam habitantes humanos, que seriam baixos corpulentos e dondo de barbas ruivas. O explorador Nilton Machado visitou um túnel perto do Rio Castor, na mesma região e encontrou os homens barbados e uma mulher aparentando ter mais ou menos 20 anos. Ela falou com ele em português e disse ter 2.500 anos.

O escritor alemão Raymond Bernard menciona a região no seu livro, intitulado “A Terra Oca”. Raymond acredita na existência de uma população evoluída residente no interior do planeta, o autor não faz referencia ao nome da montanha, mas sim a localidade. Sedentos de curiosidade, muitos aventureiros desbravam as entranhas do Castelo dos Bugres e do seu vizinho, o Morro Pelado em busca de pistas sobre a referida entrada que nunca foi encontrada.

Outras histórias falam que os supostos tuneis cujas entradas seriam localizadas no Morro Pelado, Castelo dos Bugre e Monte Crista, estariam interligados, e algumas pessoas afirmam que as três montanhas formam um triângulo, sendo que as arestas entre Castelo dos Bugre – Morro Pelado e Castelo do Bugre – Monte Crista formariam um ângulo reto.

O conjunto de montanhas que compreende o Quiriri possui cerca de 30 cumes, cuja altura varia entre 1.300 a 1.580 metros. Dessas elevações é possível enxergar o mar e algumas cidades do norte do estado, como Joinville e as montanhas da Serra Dona Francisca, Garuva, Itapoá, São Francisco do Sul e a Baía da Babitonga, sempre em dias de tempo bom.

Quiriri na língua tupi guarani significa “Silêncio Noturno”, e contam os antigos que ali era morada de índios e bugres. Os carroceiros que ali passavam sentido Curitiba escondiam seu ouro nas grutas do Quiriri para não serem assaltados pelos índios, pois as montanhas possuem várias cavernas, e também nascentes de água cristalina.

As fotos dessa matéria são de autoria do engenheiro e frequentador assíduo daquelas paisagens Luiz von Dokonal.

O local faz parte de uma Área de Proteção Ambiental, que compreende os municípios de Campo Alegre, Garuva e Joinville. Há também uma casa disponível para aluguel por dia. O acesso ao topo das montanhas se dá a 56 km do centro da cidade, por estrada não pavimentada.