A mais recente paranoia em relação ao presidente Trump é a “separação” de crianças de seus pais na fronteira com o México. Os jornalistas desonestos apresentam essa situação como uma “determinação do governo Trump”, sem informar a verdade dos fatos.
Felizmente ainda há jornalistas decentes como Rich Lowry do National Review que escreveu um excelente artigo em 28 de maio.
Durante muitos anos a imigração ilegal foi encabeçada por homens solteiros vindos do México. Na última década o fluxo mudou para mulheres, crianças e unidades familiares da América Central.
O presidente Trump não está mudando as regras que existiam antes sobre a separação de adultos e crianças, que só ocorre se os oficiais descobrem que os adultos estão se apresentando falsamente como pais das crianças, ou é uma ameaça para a criança ou é colocado como criminoso nos trâmite legais. Essa última situação é que está em evidência aqui. Antes, a prática era dar passe livre ara adultos que tentavam entrar ilegalmente na fronteira com crianças e/ou esposas. A política de Trump é impedir a entrada de todos os imigrantes ilegais.
Quando um imigrante é processado por entrada ilegal ele ou ela é levado sob custódia pelos U.S.Marshals. Em nenhuma circunstância esses policiais tomam conta de crianças de pessoas que estão sob sua custódia. A criança fica sob custódia do HHS (Department of Health & Human Services) que cuida delas em abrigos temporários visto que crianças não podem ficar em prisões.
Os processos são bem curtos, desde que não haja agravantes como tentativa de entrada ilegal anterior ou outro crime. O ilegal geralmente se declara culpado, sendo sentenciado, geralmente no mesmo dia e retornado a custódia da imigração (Immigration and Customs Enforcement – ICE). Se o ilegal deseja voltar a seu país, é reunido com sua família e deportado, ficando então pouco tempo separado de sua família.
Mas se ele quer pedir asilo o processo é mais longo e, portanto, o tempo de separação é maior por causa do Flores Consent Decree de 1997 que diz que crianças não acompanhadas só podem ser detidas por 20 dias. Uma regra (Ninth Circuit) estendeu esse limite a crianças que tentavam entrar ilegalmente com seus pais. Assim, mesmo que se quisesse manter a unidade familiar unida, isso era proibido.
Esse tempo passava muito antes de sair a decisão sobre o pedido de asilo e assim ou soltava-se o ilegal e as crianças ou mantinha-se o ilegal preso e soltavam-se as crianças que ficariam com algum responsável nos EUA ou com membros da família (boa parte dos imigrantes ilegais tem algum parente nos EUA). Como o ICE só tem cerca de 3000 espaços para famílias nos abrigos, mesmo que Trump não queira, muitos adultos são liberados.
Os adultos são retidos porque assim o tempo de avaliação do asilo é de alguns meses e não anos. Além disso, quando são soltos, a chance de voltarem voluntariamente para tomarem conhecimento de suas sentenças é quase zero.
Liberar a entrada de imigrantes ilegais com crianças é dar um péssimo exemplo e zombar das leis americanas. Muitos sequestram crianças para dizerem que são seus pais na fronteira, outros entregam crianças a troco de dinheiro para facilitar a entrada destes ilegais.
É importante assinalar que foi Bill Clinton quem determinou que as crianças não poderiam ser encarceradas com seus pais, assim, Obama tentou acelerar a deportação dessas famílias deixando-as presas até a decisão da deportação, mas um juiz da Califórnia determinou que o limite de dias de detenção das crianças seria de 20 dias como dito acima. Trump pediu ao Congresso que mudasse essa regra, mas os Democratas não tem interesse preferindo explorar o tema da “separação” promovida pelo “fascista” Trump, (já que 2/3 dos imigrantes ilegais votam nos Democratas quando regularizam sua situação) chegando até a publicar fotos de crianças em jaulas, se esquecendo de que essas fotos são da época do governo Obama…
Desonestidade intelectual é terrível…